DIA DA MULHER: O SEU MACHISMO ME FAZ FORA DO PADRÃO

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

GABI LESSA

 

Então hoje é o Dia da Mulher. A gente fala muito aqui sobre o que o padrão faz com as mulheres, né? Já falamos sobre como as mulheres no Oscar são magras, sobre a pressão do corpo perfeito, sobre autoestima e relacionamentos abusivos… Por que? Porque gordofobia e machismo andam de mãos dadas. E muita gente não entende isso.

Eu já passei um bom tempo discutindo isso com meus primos. “Ah, mas o homem gordo também sofre preconceito. Os galãs de Hollywood também são malhados.” Sim, gente. Com certeza. A gordofobia atinge homens e mulheres. Ninguém disse que não.

Mas. Tem um grande mas aí. A gordofobia é unissex, fato. Mas ela tem uma incrível capacidade de se unir ao machismo. Afinal, de quem os padrões estéticos são mais cobrados? A estimativa é de que apenas 10% das pessoas que sofrem com anorexia e bulimia sejam homens. Cerca de 65% dos procedimentos estéticos e 80% das cirurgias plásticas realizadas no Brasil são em mulheres.

“Ah, mas as mulhere são mais vaidosas.” Pode até ser. Mas então vamos a algumas frases que eu acho que a maioria já deve ter ouvido por aí.

“Você viu que fulano largou a fulana? Mas também, não tem jeito. O tanto que ela engordou, que parou de se arrumar depois dos filhos. Homem nenhum quer saber de mulher largada. É a mulher que segura o casamento.”

Já ouviu alguém comentar assim? Eu já. Várias vezes. Mas você já ouviu o contrário? “Ah, mas ele ficou careca né. E quando eles começaram a namorar ele tinha barriga tanquinho. Você viu que agora ele está com uma barriguinha de chopp? Mulher nenhuma tem tesão em uma marido desses.” Essa eu nunca ouvi.

Tem outra também. Uma clássica que é comentada quando aparece foto de gorda de lingerie na internet, ou até quando homem vê alguma gorda de biquíni na praia. “Ah, pelamordedeus! Eu não sou obrigado a ver isso!” Ou aquela piadinha clássica quando vê uma gorda na rua, “E aí, cara, você encarava?”

Porque o corpo feminino ainda é visto como algo para agradar homem. Ninguém pensa que todo mundo é obrigado a ver todo mundo, se não quer ver alguém não sai de casa. Ninguém pensa que o objetivo da praia é se divertir, não desfilar para o deleite masculino. Ninguém pensa que talvez aquela gorda não encararia aquele babaca, e que ela tem tanto direito de escolher quem ela quer pegar quanto ele.

A gordofobia afeta mais as mulheres porque o padrão estético é mais exigido das mulheres. Como se fôssemos objetos de decoração para agradar aos olhos dos outros. Deu pra perceber que é um raciocínio conjunto? O machismo encontra na gordofobia uma forma fácil de manter as mulheres “na coleira”. Juntos, eles são uma bomba. Um ataque à autoestima, à aceitação, ao propósito de vida da mulher.

Uma mulher que acha que não é gostosa o suficiente para merecer amor tem menos chances de sair de um relacionamento abusivo. Uma mulher que se acha um fracasso perante as que são mais magras que ela tem mais chances de entrar em depressão. Uma mulher que se odeia tem menos chances de quebrar os moldes, de sair do papel imposto.

Então a magra malhada tem mais chances de ser feliz? Ou só porque ela é magra ela está no papel imposto? Ah, Gabi, só porque eu gosto de academia você está falando que eu estou seguindo um papel imposto pelos homens?

Não, gente. Novamente, não é guerra. Se você ama o seu corpo e o que você faz por ele, você é uma revolucionária. Parabéns.

Mas nem sempre é assim. A mulher magra não necessariamente está satisfeita com seu corpo. A questão não é ser gorda ou magra, mas sim a percepção do seu corpo. Não é o peso, a dieta, a academia. É o odiar o corpo por buscar um padrão que é uma forma de submissão da mulher. E essa raiva do próprio corpo vem em vários tamanhos.

Vocês sabiam que no nosso questionário, 65% das pessoas disseram vestir até 42, mas 47% se acham gordas, e mais de 70% já deixaram de fazer alguma coisa por se sentirem incomodadas com o seu corpo?

O padrão estético existe para todos. Mas para a mulher, ele é uma cobrança. Pode parecer estranho à primeira vista, você pode até me achar uma gorda feminazi louca exagerada. Tudo bem. Leia de novo daqui uns dias. Pesquise sobre o tema. Já existem muitos estudos sobre como os padrões estéticos são uma imposição machista, como os padrões inatingíveis são usados para domar as mulheres. É o machismo que faz com que todas nós, em todos os tamanhos, nos sintamos fora do padrão. Então bora lutar contra ele. Feliz Dia da Mulher!

Gabi Lessa

Gabi Lessa

Deixe um comentário

Sobre Nós

O Gorda é a mãe é um blog sobre autoestima, positividade corporal, feminismo, maternidade e mais um bocado de coisa interessante. Vem com a gente!

Posts + Recentes

Curte Aí!

Insta Feed